Patrimônio religioso que o Cristianismo herdou do Judaismo

0
284

MONOTEÍSMO

Reconhecem a Deus como único. O Shemá: (“Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força”.(Dt 6,4.)

CRIAÇÃO

O mundo foi criado (bará) por Deus. Bereshit: no princípio, Deus Criador: Sl 33,9; Sl 148,5. Deus derramou a sabedoria sobre todas as suas obras (Eclo 1,9)

O HOMEM, IMAGEM DE DEUS

Gn 1,26.27: Deus cria o homem e a mulher à sua imagem (tesélem) e semelhança (demût). O homem não é imagem direta de Deus, mas só imagem da essência divina (Sl 8,6).

ATITUDES BÁSICAS PERANTE DEUS

1-    Santidade: a vida segundo a Torá, segundo a Palavra de Deus consiste na santificação do dia-a-dia. Deus é Santo e somos chamados à santidade (Lv 19,2).

2-    Obediência: significa ouvir, observar e praticar (Lv 18,5). O fazer mover-se no chão firme da Aliança.

3-    Temor de Deus: não é medo de Deus, faz parte da obediência a Deus (Pr 1,7)

4-    Conhecimento de Deus: Ato pessoal de reconhecer, confiar, ser familiarizado, entregar-se, acreditar (Is 43,9)

5-    Amor: Deus ama Israel por causa de sua eleição. (Dt 4,37). Ele ama todos os povos. Cabe a Israel e aos povos retribuir o amor (Dt 4,5). Israel é exortado a “amar o próximo como a ti mesmo” (Lv 19,18). O amor a Deus deve concretizar-se no amor ao próximo.

6-    Emuná: fidelidade, confiança, fé “Abraão creu no Senhor e lhe foi tido em conta de justiça” (Gn 15,6). Abraão é considerado o pai de todos os que creem (Rm 4,11). Crer é o resumo do relacionamento entre Deus e o ser humano.

7-    Conversão: converter-se (shuv). Envolve a salvação escatológica (últimos tempos). A conversão genuína consiste na volta radical a Deus e ao pacto dos antepassados. “Vinde, retornemos ao Senhor” (Os 6,1).

8-    Louvor a Deus: Louvar é viver, viver é louvar. O lugar apropriado do para louvar a Deus: na Assembleia, no culto, na liturgia, na comunidade de fé, na vida vivida baseada na prática do bem, da justiça, da caridade. Louve ao Senhor com toda a tua vida!!!

A ALIANÇA

A Aliança assinala um relacionamento perene entre Israel (e todos os povos que nele creem) e Deus, entre Deus e o mundo. A Aliança vai da criação à ressurreição de Jesus, o Cristo. A Aliança garante que Deus não se esquecerá do mundo e das suas criaturas; o mundo sabe-o pela mediação de Israel (Gn 9,17; Jo 1,14) Deus se encarna em Jesus.

A IDÉIA MESSIÂNICA

A raiz dessa ideia para judeus e cristãos está enraizada no Primeiro Testamento (2Sm 7,12.13.16)

A DESCOBERTA DO FUTURO

Salvação vindoura do povo judeu, das nações e de toda a humanidade (Sf 3,16ª.20b; Mc 16,6.1519-20).

ALMEJANDO UM MUNDO DE DIREITO, JUSTIÇA E PAZ.

Em comunhão com Israel, o cristianismo luta para que haja “um novo céu e uma terra nos quais habitará a justiça” (2 Pd 3,13). Contra a injustiça (Mq 3,9-11a).

EXPIAÇÃO E MEDIAÇÃO

É Deus quem realiza o perdão. Jesus morre na cruz para expiar (perdoar) os pecados da humanidade (Mt 26,28).

A CONSCIÊNCIA E O DECÁLOGO

Consciênciano Judaísmo = coração (unidade do querer, sentir e pensar). Órgão equipado para ouvir as instruções divinas da Torá. Na consciência operam as decisões da pessoa. Viver de acordo com a consciência é atender à voz de Deus. Ouvir é pertencer, é escutar, é obedecer. O Decálogo, os Dez Mandamentos ou as 10 Palavras: visam a defesa da comunidade. Representam o compêndio da consciência moral do gênero humano. Quer evitar queo “homem seja lobo do homem” (T. Hobbes) e assegure o homem como imagem de Deus.

A MEMÓRIA

Deus se lembra: do pacto com Noé e “com todos os seres vivos (Gn 9,15); da Aliança com os patriarcas (Ex 2,24; 6,5; Lv 26,42.45); da Aliança com o seu povo Israel (Ez 16,60). No seu lembrar Deus manifesta a sua fidelidade apesar das infidelidades de Israel, pois o seu pacto é eterno.

Israel: o povo que se lembra: Israel lembra as ações salvíficas de Deus. Lembra-se no louvor, no agradecimento e na narração para tornar a sua história presente. Esquecer as ações de Deus na vida do povo é um ato de infidelidade e ingratidão (Sl 75,2). O povo judeu lembra a cada ano a sua redenção/libertação da escravidão no Egito (Pessach=passagem). Jesus a cada momento está lembrando as ações de Deus na história de Israel. E na Última Ceia (Páscoa): “Fazei isto em memória de mim” como continuidade da Aliança de Deus com a humanidade pela mediação do povo judeu.

O SÁBADO/ O DOMINGO

O Sábado judaico: trabalhar 6 dias e repousar (katápausis) no sétimo. Guardar o sábado. Deus criou em 6 dias o céu, a terra e todas as demais criaturas. O Deus Criador abençoou o sétimo dia para a bênção, a consagração e glória acima de todos os outros dias. O sétimo dia é a luz do seis; o “sábado para o Senhor teu Deus”, porque Deus repousou de toda a sua obra criadora (Ex 20,10; Dt 5,14). O sétimo dia representa a plenitude da criação. O sábado converte em festa a existência humana porque Deus quer que o mundo seja festivo e livre, na expectativa da salvação futura. O Domingo cristão: o sentido é o mesmo que o sábado judaico com a diferença: o ápice da fé cristã está voltado para a Ressurreição de Jesus, o Cristo.

A RESSUREIÇÃO DOS MORTOS

Última consequência da fé no Senhor 1. Ressurreição e semelhança com Deus – vida significa viver na presença de Deus. A Ressurreição dos mortos é consequência lógica da fé em Deus. Deus é fiel em vivificar os mortos. O homem do 1º. Testamento é uma totalidade e a ressurreição deve incluir o corpo; 2. Jesus defendia essa doutrina contra a negação dos saduceus porque Deus é o Deus dos vivos (Mc 12,18-27). A redenção final da pessoa inclui o corpo e é obra reservada de Deus.

[product_category per_page=”4″ columns=”4″ orderby=”” order=”” category=”capacitacao-eclesiastica”]

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here