Home / ATUALIDADES / Joana: Uma mulher rica, porém humilde

Joana: Uma mulher rica, porém humilde

Existem alguns personagens na Bíblia que bem pouco se sabe a seu respeito, outros, talvez por ter mais destaque na história universal, acabamos encontrando fontes mais confiáveis para traçar um perfil. Joana é um desses personagens que a Bíblia fala somente uma vez, mas que se revelou de grande relevância no dia a dia do Ministério de Jesus na terra.
Joana foi acima de tudo um exemplo de humildade. Mulher de Cuzá, procurador de Herodes, esta mulher que frequentava a sociedade romana de sua época, não se importou de ser vista junto com os discípulos de Jesus e sofrer suas dores e até mesmo a perseguição imposta pelos falsos religiosos da época.
Primeiro é preciso lembrar quem eram os seguidores do Mestre, homens do povo, pescadores, cobradores de impostos, conhecidos como publicanos e que não gozavam da simpatia do povo, mulheres libertas de legiões de demônios, ex-prostitutas, além de todo tipo de ex que você possa imaginar: ex-coxo, ex-cego, ex-paralítico e até ex-gago. Tinha de tudo.
Na única referência a Joana, diz o Evangelho de Lucas: “E aconteceu, depois disto, que andava de cidade em cidade, e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus; e os doze iam com ele, e algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios; e Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, e Suzana, e muitas outras que o serviam com seus bens.”(Lucas 8:1-3).
Jesus andava de aldeia em aldeia, de cidade em cidade e com Ele iam seus doze discípulos e algumas mulheres. Joana, então, é citada com a referência de ser esposa de um nobre do Império Romano chamado Cuza, que ocupava um cargo de destaque junto a Herodes, pois era o responsável direto por suas finanças.
Joana provavelmente foi uma das mulheres curadas por Jesus que o seguia por amor, por gratidão e ela servia a Jesus com seus bens. Joana era uma mulher rica e depositou seu principal tesouro aos pés de Jesus: seu coração. Os bens consagrados a Deus, colocados a serviço da Obra, são apenas uma consequência de um coração entregue a Jesus.
As companheiras de Ministério de Joana eram mulheres totalmente diferentes dela, mulheres tão maravilhosas quanto ela, mas que não eram refinadas, ricas e nem tinham a posição social dela. Se Joana vivesse nos dias de hoje, seria uma frequentadora das colunas sociais, das festas, das badalações inerentes ao status social que ocupava na corte de Herodes.
Esta mulher rica, refinada, acostumada a frequentar as altas rodas sociais da corte de Herodes, não fez caso de seus anéis, de suas joias, do conforto de sua casa para servir a Jesus, o pobre Galileu que sequer tinha uma casa para chamar de sua e seguiu com Ele de aldeia em aldeia, servindo com alegria ao Senhor com seus bens.
Deus move as peças do jogo para alcançar Seus propósitos. Ninguém é inservível para a Obra de Deus, assim como ninguém, por mais rico que seja, terá qualquer tratamento diferenciado no Reino de Deus. Somos todos iguais diante Dele, gregos, troianos, paulistas e paraibanos.
Vamos em frente. Alguns historiadores especulam que Joana teria sido testemunha da morte de João Batista, já que frequentava as festas de Herodes. Pode ser, faz sentido, mas não é importante. O que de fato importa na vida desta mulher nobre é sua disposição de servir a Jesus e seus discípulos, sempre lembrando que aquelas pessoas que seguiam Jesus era muito diferentes dela e não deve ter sido nada fácil para Joana confessar sua fé em Jesus, não deve ter sido fácil enfrentar a sociedade e suas regrinhas de “ouro”.
Não se sabe qual a posição de Cuza em relação à fé de sua esposa, mas provavelmente ela não teve apoio do marido para deixar sua casa, suas obrigações sociais, sua família para seguir Jesus durantes dias e dias fora de Cafarnaum.
Não precisamos saber os detalhes para imaginar que Joana enfrentou todo tipo de obstáculo para seguir Jesus, mas o exemplo de humildade dela é fundamental para alimentar a fé de milhares de servos de Deus por todos os lugares onde é pregado o Evangelho de Jesus e sua pequena história de humildade e fé é contada.
A questão é que tem muita gente boa, em cargos de destaque que preferem amar Jesus de longe, por medo de serem mal vistos pela sociedade. Quando a gente diz a alguém que é servo de Deus, sofre, inevitavelmente, o bulling religioso. Algumas pessoas até dizem que nem poderiam imaginar que você é evangélico, porque você é uma pessoa tão inteligente!
Pois é. Não é fácil confessar Jesus diante dos homens, mas é indispensável: “Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.” (Romanos 10:9). A salvação é para os fortes, para os valentes, para aqueles que não têm por preciosa sua própria vida social, ou seus “amigos”, ou seus muitos motivos para continuar sendo um agente secreto de Deus. Só tem um probleminha: nunca li na Bíblia nada a respeito de agentes secretos de Deus. Deve ser porque não existe. Confesse, creia, faça diferença onde você estiver e você terá um milhão de motivos para ser cada dia mais feliz.
[product_category per_page=”4″ columns=”4″ orderby=”” order=”” category=”capacitacao-eclesiastica”]

About Gamaliel

Check Also

Militantes LGBTs vandalizam igrejas e pedem que cristãos sejam crucificados, na Austrália

Militantes LGBTs vandalizam igrejas e pedem que cristãos sejam crucificados, na Austrália Várias igrejas na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: