Amnom, Tamar e Absalão: Filhos da Davi

0
347
A Palavra de Deus nos diz: “Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará.” (Gálatas 6:7). O pecado traz conseqüências inevitáveis. Continuando (ver. 8): “Porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna.
Sem dúvida Davi havia semeado na carne quando tomou Bateseba e matou o seu marido. Ele havia confessado o seu pecado e Deus o havia perdoado, mas também lhe havia dito “não se apartará a espada jamais da tua casa … da tua própria casa suscitarei o mal sobre ti” (cap. 12:10-11). Deus perdoa o pecado confessado, restabelecendo a sua comunhão conosco, mas não retira as suas conseqüências.

O ESTUPRO DE TAMAR POR AMNOM

Amnom era o filho primogênito de Davi, sendo sua mãe Ainoã, a jezreelita (cap. 3:2), mulher de Davi desde o seu exílio. Se Davi não tivesse cedido à luxúria e adquirido outras mulheres para si, ele teria evitado as tragédias que vieram a seguir.
Tamar, com Absalão seu irmão, eram filhos de outra mulher de Davi, Maaca, filha de Talmai, rei de Gesur, talvez tomada como um despojo de guerra (1 Samuel 27:8). Ela era muito formosa e Amnom se enamorou dela.
Era uma paixão doentia que lhe tirou o apetite, ficando sem comer, pois não via possibilidade de ter relações íntimas com ela, sendo ela uma jovem casta.
Seu primo Jonadabe notou a tristeza de Amnom e, ao saber a razão, logo desenvolveu um plano para conseguir que Amnom ficasse a sós com Tamar em seu quarto. Devemos sempre examinar os conselhos que recebemos, pois eles podem nos levar para o mal, como aconteceu nessa ocasião. Somos nós que vamos sofrer as conseqüências, não os conselheiros.
Os detalhes da perfídia de Amnom a fim de conseguir ficar com Tamar e estuprá-la em sua casa são relatados com toda a sua sordidez. Amor e lascívia são duas coisas bem diferentes. Depois de estuprar Tamar, o “amor” de Amnom se transformou em ódio, demonstrando que não era amor, mas simples lascívia.
Amor é paciente, enquanto a lascívia requer satisfação imediata. Amor é bondoso, mas lascívia é cruel. Amor não é egoísta, lascívia é. Lascívia pode parecer que é amor, no início, mas depois de fisicamente expressada resulta em repugnância por si próprio e ódio pela outra pessoa. Se não puder esperar, não é amor.
O estupro era proibido por Deus (Deuteronômio 22:28,29). Mas expulsar Tamar de casa como Amnom fez era um crime ainda maior, porque dava a entender que Tamar havia se oferecido a ele, e não havia quem testemunhasse a verdade a favor dela, porque Amnom havia esvaziado a casa. O seu crime havia feito com que ela não pudesse ser dada em casamento pois não era mais virgem.
Não obstante, Tamar rasgou suas vestes de princesa, colocou cinza na cabeça em sinal de luto, pôs suas mãos sobre a cabeça e foi se lamentando pelo caminho sendo assim achada por Absalão, seu irmão. Este a consolou e hospedou-a em sua casa, procurando assim evitar um escândalo público dizendo que era apenas uma questão dentro da família.
Mas os padrões de conduta moral estabelecidos por Deus não se alteram dentro do círculo familiar. Secretamente, Absalão foi tomado por um ódio mortal contra Amnom, e aguardou uma oportunidade para eliminá-lo. Sem dúvida ele já sabia que Davi não queria que seu primogênito fosse castigado.

A INDULGêNCIA DE DAVI

O rei Davi ficou muito irado quando ouviu todas estas coisas – mas nada fez. Como vemos mais tarde, ele tinha um grande amor por Amnom, provavelmente por ser o seu filho primogênito e herdeiro do trono.
Mas também, como vemos daqui para a frente, ele era um pai indulgente que criou uma prole má, da mesma forma que outros personagens da Bíblia. Assim foram o sumo sacerdote Eli e o profeta Samuel. Samuel conhecia os filhos de Eli mas cometeu o mesmo erro. Também Davi conheceu os filhos de Samuel e ainda assim repetiu a sua indulgência.
Davi provavelmente não sentia ter condições para castigar os seus filhos, quando ele próprio havia falhado desastrosamente na área da imoralidade sexual. Os pais precisam disciplinar os seus filhos, mas também, e em primeiro lugar, devem dar-lhes um exemplo sadio mantendo um alto nível moral, em conformidade com os padrões estabelecidos por Deus.
O outro problema de Davi era falta de tempo para dar a atenção que devia aos seus filhos. Como rei ele tinha muitas responsabilidades, mas estas foram multiplicadas pela sua poligamia e grande prole. Ele tinha uma habilidade excepcional como rei e líder militar, mas falhou lamentavelmente como pai.
Muitos pais hoje em dia também não reservam tempo suficiente para atender ao ensino e disciplina dos seus filhos, tornando-se indulgentes em obediência à lei do menor esforço. Os filhos se ressentem disso, e muitos pais crentes vêm com tristeza os seus filhos desviando-se pelo mundo porque não tiveram a disciplina e orientação que precisavam ao crescerem. “Não retires da criança a disciplina, pois, se a fustigares com a vara, não morrerá. Tu a fustigarás com a vara e livrarás a sua alma do inferno.” (Provérbios 23:13-14).

ABSALÃO ASSASSINA AMNOM

Por dois anos Absalão tratou Amnom friamente, sem lhe dirigir palavra. Ao final deste período ele viu a oportunidade de executar o seu plano premeditado de matar Amnom, pois Davi já teria dado o caso do estupro por encerrado.
Ardilosamente (como Amnom anteriormente) ele conseguiu permissão do rei para que Amnom, junto com todos os seus irmãos, viessem até Baal-Hazor para festejar a tosquia com ele. Tendo-os em seu poder, Absalão fez com que seus servos assassinassem Amnom depois que ele se embebedou.
Davi foi avisado no início que todos os seus filhos haviam sido mortos, e ficou profundamente triste e deprimido rasgando suas vestes e lançando-se no chão. Mas seu sobrinho Jonadabe logo corrigiu a notícia avisando que apenas Amnom havia sido morto por Absalão, cujas feições haviam revelado o seu ódio desde o dia que sua irmã fora forçada por Amnom, dois anos atrás.
Absalão, no entanto, havia se refugiado com seu avô materno Talmai, filho de Amiúde, rei de Gesur.
Davi pranteava a morte do seu filho Amnom todos os dias, e perseguiu Absalão por três anos. Ao fim deste período, mediante um ardil, Joabe conseguiu que ele perdoasse Absalão, permitindo sua volta a Jerusalém, mas ainda se passaram dois anos até que ele finalmente consentiu em recebê-lo em sua presença.
Absalão deu o nome de Tamar à sua filha para mostrar amor e respeito à sua irmã e ele ficaria como memorial a todos pelo ultraje sofrido por ela.
Criminoso impune e vaidoso por causa da sua beleza física, Absalão estava agora disposto a conquistar o coração da nação de Israel. O rei Davi ia pagar caro pela indulgência que mostrou para com este filho.
[product_category per_page=”4″ columns=”4″ orderby=”” order=”” category=”capacitacao-eclesiastica”]

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here